Pesquisar este blog

Tradutor Blog/Translate Blog

quinta-feira, 16 de maio de 2019

A rara Camari-nhêmba (Gaylussacia brasiliensis) encontrada na Cascatinha (cachoeira) em Minas Gerais

16.5.19 0 Comentários
Em 2011, fui em uma cachoeira conhecida como Cascatinha, no sul de Minas Gerais e fiquei encantada com essa bela planta. Procurei sementes e não encontrei, mas fotografei e guardei junto às outras tantas fotos, para tentar identificar algum dia. No ano passado, conheci uma página incrível de frutas raras e, advinha quem estava lá?

A Camari-nhêmba (Gaylussacia brasiliensis)! Minha felicidade foi imensa ao descobrir seu nome e mais detalhes sobre ela.

A rara Camari-nhêmba (Gaylussacia brasiliensis) encontrada na Cascatinha (cachoeira) em Minas Gerais.


Segundo o site "Colecionando Frutas":


"A Camari-nhêmba é uma nativa brasileira rara de ser encontrada (Iupi! Tive sorte!), e também é conhecida como groselha-do-brejo, camarinha e lanterninha-da-praia. Se quiser conhecer mais é só entrar nesse link."


A postagem descreve sobre o cultivo, porém, recentemente, procurando por ela no Instagram, encontrei uma imagem de sementes sendo germinadas. Mandei uma mensagem para a pessoa que postou e ela me falou que não "vingaram" e que já tinha tentado outras vezes e que era muito difícil "vingar" fora do 'habitat' dela.

A rara Camari-nhêmba (Gaylussacia brasiliensis) encontrada na Cascatinha (cachoeira) em Minas Gerais.


Deixo também, algumas fotos da cachoeira onde ela foi encontrada.

Cachoeira Cascatinha em Minas Gerais — Próximo à Hidrelétrica de Furnas, ao lado da Cachoeira do Filó.

Cachoeira Cascatinha em Minas Gerais — Próximo à Hidrelétrica de Furnas, ao lado da Cachoeira do Filó.

Cachoeira Cascatinha em Minas Gerais — Próximo à Hidrelétrica de Furnas, ao lado da Cachoeira do Filó.

Cachoeira Cascatinha em Minas Gerais — Próximo à Hidrelétrica de Furnas, ao lado da Cachoeira do Filó.

Cachoeira Cascatinha em Minas Gerais — Próximo à Hidrelétrica de Furnas, ao lado da Cachoeira do Filó.


Bom cultivo e até breve!
Quer ver Dicas de Cultivo de outras espécies?

terça-feira, 14 de maio de 2019

A perfumada gardênia (Gardenia jasminoides) e como cultivar em vaso

14.5.19 2 Comentários
Vamos cultivar gardênias?

E o melhor! Você pode cultivar dentro de casa e perfumar o ambiente!
Flor de gardênia (Gardenia jasminoides), cultivada em vaso.


Como cantavam Bienvenido Granda e Waldik Soriano:

Letra de "Perfume de Gardenia" — Bienvenido Granda


Essa música descreve bem a pureza e o perfume dessa bela flor. De flores brancas e perfume adocicado, que lembra jasmim, e folhagem verde brilhante, a chinesa Gardenia jasminoides é um arbusto que pode alcançar até dois metros de altura. Da família Rubiaceae, é popularmente conhecida como gardênia ou jasmim-do-cabo. Seu fruto amarelo é usado como corante têxtil.

Botão de flor de gardênia (Gardenia jasminoides) em formação.



Como cultivar


As gardênias geralmente são cultivadas diretamente no chão. Entretanto, é possível cultivar também em vasos, desde que, dê os devidos cuidados:

Sempre em solos ácidos, com compostos orgânicos e com boa drenagem. O solo deve estar sempre úmido, mas nunca encharcado.

Gostam de sol pleno e meia sombra, mas florescem em abundância em regiões mais temperadas como o sul do Brasil. Em regiões mais quentes ela floresce bem, mas é bom evitar o sol da tarde, principalmente as plantadas em vasos. Também não gosta de frio extremo.

É necessário adubar a cada dos meses, pelo menos, dando preferência a NPK de floração, e evitando no inverno. Suas flores brancas, ficam amarelas, antes de secarem.


Pode sempre após a floração para manter a copa mais compacta e com mais galhos.



Reprodução


Pode ser por estacas e por sementes (raramente frutifica no Brasil).

O desabrochar da flor de gardênia (Gardenia jasminoides).

O desabrochar da flor de gardênia (Gardenia jasminoides).

O desabrochar da flor de gardênia (Gardenia jasminoides).

O desabrochar da flor de gardênia (Gardenia jasminoides).

Antes de murchar, a flor de gardênia (Gardenia jasminoides) fica bem amarelada.



Bom cultivo e até breve!




Quer ver Dicas de Cultivo de outras espécies?




sábado, 11 de maio de 2019

Como cultivar cacto-dedal (Mammillaria gracilis) e fazer florescer

11.5.19 0 Comentários
Quer um cacto pequeno, de poucos cuidados e que possa deixar dentro de casa?

O cacto Mammillaria gracilis, é uma ótima opção! São pequenas hastes cilíndricas verdes, com espinhos brancos que lembram estrelas, fazendo com que, pareça que a planta esteja coberta com rendas. Essa espécie cresce até 13 cm de altura e 5 cm de largura, fazendo um lindo aglomerado.

Cacto-dedal (Mammillaria gracilis) com sua primeira e delicada flor cor de creme.


Como cultivar  


Originária do México, a Mammillaria gracilis é perfeita para iniciantes! Sendo possível cultivar dentro de casa, exigindo pouco cuidado, desde que, tenha muita luminosidade. Ao ar livre, gosta de ser cultivada em sol pleno.



Solo

Necessita de solo bem drenável. Pode-se usar 1 parte de areia para ½ (meia) de terra. Use sempre pedriscos no fundo do vaso para ajudar na drenagem.


Rega


Para evitar acúmulo de água na planta, o ideal é a rega por imersão, colocando o vaso dentro de uma vasilha com água e até absorver bem, após, deixar escorrer bem e só regar novamente quando o solo estiver totalmente seco. Caso esteja plantada no chão, regue com cuidado e evite usar mangueiras com jatos fortes, para não quebrá-la.

Floração

O cacto-dedal produz lindas e delicadas flores na cor creme, que pode medir até 12 mm de largura. O segredo para que floresça, é que, seja cultivado em pleno sol. Caso deixe dentro de casa, procure uma janela com boa incidência de luz e de sol, pelo menos meio período do dia. As flores costumam aparecer na primavera e no começo do outono. Assim que aparece um broto de flor, ele leva em média 6 dias para desabrochar e assim que abre, dura em média 3 dias. Logo ela murcha e dá as sementes.



Reprodução
Por separação das ramificações ("filhotes" que dão na planta principal): retire com cuidado, usando luvas ou com tesoura/estilete esterilizado. Retire e deixe secar por alguns dias antes de plantar. Plante no mesmo vaso ou em outro com 1 parte de areia para ½ (meia) de terra. Regue como a planta adulta.

Por sementes: após, a flor murchar, caso ela tenha sido polinizada, irá aparecer uma baga de sementes. Espere a baga amadurecer e retire com cuidado. Ao abrir, irá ver as sementes pequeninas e pretas. Plante em um vaso com areia, semeando-as por cima. Para não levantar as sementes, regue por imersão e coloque em uma estufa, de preferência. Mantenha o solo sempre úmido, até começar a aparecer aquelas pequenas bolinhas verdes, com pequenos espinhos brancos. Nunca deixe o solo encharcado.



Adubação
Não há necessidade de sempre estar adubando. Colocar um adubo para cactos ou até mesmo casca de ovo triturada seca de vez em quando para ajudar na manutenção e florescimento. Evite adubo orgânico que possa fermentar em volta da planta, para que ela não apodreça.

Sequências da floração da Mammillaria gracilis. Desde quando apareceu o primeiro broto de flor, abriu e murchou, foram 12 dias. O tempo de permanência da flor aberta é bem curso, sendo em média de 3 dias.



Quer aprender a cultivar outras espécies?




      quarta-feira, 10 de abril de 2019

      Como cultivar Oxalis hirsutissima - Azedinha-de-flor-amarela

      10.4.19 0 Comentários
      Em mais uma das minhas explorações na natureza, encontrei essa pequena gigante, de cerca de 15 cm de altura, no Cerrado mineiro (Passos).  Oxalis hirsutissima, também conhecida como azedinha-de-flor-amarela, é da mesma espécie das famosas azedinhas de nossa infância, e em alguns locais, chamada de trevinho.

      Flor da Oxalis hirsutissima a azedinha-amarela.

      Flora do Brasil


      Nativa da região central do Brasil, mas podendo ser encontrada em todas as regiões, a Oxalis hirsutissima pertence à família Oxalidaceae. As plantas desta família, possuem ácido oxálico e oxalato, o que faz ter o significado de "azedo".


      Clima e forma de cultivo

      Ela foi encontrada a meia-sombra, quase embaixo de um arbusto. O cultivo se dá da mesma forma das outras espécies de Oxalis. Caso cultive em vaso, deixe-a meia-sombra, regando sempre. Coloque a cada 6 meses adubos orgânicos — utilizo esterco bovino  —, ou uma vez a cada dois meses, adubo para floração, conforme a instrução da embalagem.


      Reprodução

      É feita por sementes, porém, a taxa de germinação é baixa.

      Detalhes das folhas peludinhas da Oxalis hirsutissima a azedinha-amarela


      Quer ver Dicas de Cultivo de outras espécies?





      quarta-feira, 3 de abril de 2019

      A rara romã-amarela (Punica granatum alba) e como cultivar

      3.4.19 0 Comentários
      Estamos acostumados a ver a romã-vermelha (Punica granatum), com suas lindas flores laranja. Entretanto, existe outra espécie de romã pouco cultivada aqui no Brasil, a romã-amarela (Punica granatum alba), que tem lindas flores brancas.

      Flor branca da romã-amarela (Punica granatum alba), cultivada em vaso.


      Uma espécie pouco comercializada


      Tive o prazer de conhecer há alguns anos, quando ganhei uma muda vinda de Santa Catarina. Entretanto, infelizmente, acabei perdendo ela. Em novembro de 2017, fui buscar a tão esperada encomenda da romã-amarela na Garden Center Paisagismo  — Santa Cecília, em São Paulo —. Cultivei por alguns meses em vaso e  depois dei de presente para minha mãe plantar na horta dela.





      Conhecendo a romã-amarela 


      O gênero Punica significa "maçã com muitas sementes" e o epíteto da espécie granatum quer dizer "agradável".  Nativa da Grécia, Chipre e Síria, pertence à família Lythraceae, sendo um arbusto que pode crescer até 4,5 metros de altura. Suas flores são de amarelo-claro a creme, ficando branca quando desabrocham. O fruto é de casca verde e fica amarela, quando maduro. A poupa da fruta é transparente, dando para ver as sementes.



      Como cultivar


      Por ser uma planta rústica, pode ser cultivada em vários tipos de solos, desde que, bem drenados. Sempre em sol pleno. Não necessita de muita rega, tolerando bem a seca, quando maiores. Pode ser cultivada em vaso ou direto no chão.



      Adubação - Importante para "segurar" as flores e dar frutos

      As romãzeiras, quando não adubadas regularmente, não seguram bem as flores, podendo cair logo após se abrir. Escolha um adubo para frutíferas e siga as instruções. A cada seis meses é necessário um adubo orgânico, como esterco bovino, por exemplo. Mantendo a adubação de forma regular, terá frutos o ano todo.


       Propagação

      Pode ser propagada por sementes e estaquia. Corte um galho de cerca de 30 cm, podendo ser a parte de madeira macia ou dura.

      • Armazenagem de sementes

      Armazenar sempre em saco plástico com abertura, para evitar fungos. Há dois locais que podem ser armazenados e isso pode influenciar na germinação: na geladeira — na gaveta de verduras —, e em gavetas ou outro lugar com temperatura ambiente. Na geladeira, a taxa de germinação é de 15% a mais que a armazenada em temperatura ambiente. Germinar de preferência até três meses após a colheita, pois, irá perdendo gradativamente a taxa de germinação.


      Estágios da frutificação  

      Infelizmente, deixei o vaso cair e não tive o prazer de vê-la amadurecer.
      Três estágios da frutificação.




      Bom cultivo e até breve!


      Quer ver Dicas de Cultivo de outras espécies?




      sábado, 23 de março de 2019

      Como cultivar rosa-do-deserto (Adenium sp.) e fazer florescer

      23.3.19 2 Comentários
      Você também é uma apaixonada (o) por rosas-do-deserto (Adenium sp.)?

      Essa linda e exótica planta, de fácil cultivo, pertence à família das Apocynaceae. Nativa da África e da Península Arábica, foi vista pela primeira vez em 1819. Planta herbácea, suculenta e de flores perenes, a Adenium tem várias espécies, de variadas cores, mescladas, degradês e dobradas. 

      Primeira flor da rosa-do-deserto da minha mãe, reproduzida por estaquia da planta matriz.


      Os exemplares da minha mãe (fotos nessa postagem)


      Plantei algumas sementes em 2009, das que germinaram, dei duas mudas para duas tias e fiquei com uma. Alguns anos depois, me mudei para um local pequeno e que não batia sol e doei minha planta para minha mãe. Ela fez uma estaquia da planta principal e hoje tem duas, a matriz com 10 anos e a que foi reproduzida por estaquia, que está com 3 anos.


      Como cultivar


      Pode ser cultivada no chão e em vaso. No chão ela irá crescer livremente, podendo alcançar 3 metros de altura. Em vaso ela irá se limitar ao tamanho, e pode ser bem interessante cultivar usando a técnica de bonsai. O solo deve ser bem drenável e arenoso. Duas partes de terra e uma de areia de rio lavada, média ou grossa, será muito apreciada pela planta. Coloque também pedrinhas no fundo do vaso, para ajudar na drenagem e evitar o acúmulo de água nas raízes.


      Rega e Clima

      Por ser uma suculenta, a rosa-do-deserto armazena água e nutrientes em seu caule e não deve ser regada sempre. Espere o solo secar primeiro, para depois regar até a água sair pelos furos do vaso. Apesar dela tolerar bem a seca, não é recomendado ficar muito tempo sem regar.

      Pode ser cultivada em meia sombra, mas para uma florescência abundante é recomendado o cultivo em pleno sol. 


      Adubação

      Como toda planta, principalmente as cultivadas em vaso, é necessário receber nutrientes para manter a saúde e florescerem. Há adubo próprio para rosas-do-deserto, mas caso não encontre, pode ser usado um para floração. Siga sempre as instruções do fabricante. Na dúvida, use uma quantidade menor que a informada na embalagem. Uma vez a cada 3 meses, é necessário adubo orgânico, podendo ser casca de ovos seca e triturada e/ou esterco bovino.

      Planta reproduzida de uma estaquia que, foi adubada adequadamente e floresceu pela primeira vez após 3 anos.


      Como fazer a rosa-do-deserto florescer

      A principal forma é com a adubação, mas caso perceba que mesmo assim ela não está florescendo, há outra forma: a poda drástica. Faça a poda drástica no inverno, época que a planta entra em dormência. Quando começar a primavera, como defesa e para se reproduzir, ela irá soltar botões de flores.


      • Como fazer a poda drástica


      Corte com uma tesoura ou estilete limpo e esterilizado, uns 4 dedos a cima da base do galho (Conforme a imagem abaixo).

      Corte com uma tesoura ou estilete limpo e esterilizado, uns 4 dedos a cima da base do galho. Aqui a poda foi feita em 29/06/2018.

      Aqui foi 5 meses após a poda drástica.

      Flores da rosa-do-deserto 7 meses após a poda drástica.


      Reprodução

      As Adeniuns podem ser reproduzidas por sementes — precisando de duas amostras de plantas para que ocorra a polinização  —,  e também por estaquia. Na estaquia, é só cortar um galho da planta, deixar secar por um dia e replantar em outro vaso. Na imagem abaixo, a planta menor é de uma estaquia de um galho da maior.

      Duas rosas-do-deserto, sendo uma planta matriz e a outra de uma estaquia da mesma.


      Quer aprender a cultivar outras espécies?




      quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

      O encanto da esponja-de-ouro (Stifftia chrysantha) e formas de cultivo

      20.2.19 0 Comentários
      Em um saudoso passeio que fiz ao Parque Ibirapuera, encontrei esses pompons encantadores que, de longe, me chamaram a atenção. Conhecida como esponja-de-ouro ou rabo-de-cutia, a Stifftia chrysantha, da família Asteraceae, é uma árvore que pode alcançar até 8 metros de altura. Sua linda floração ocorre entre julho e setembro — porém, essa foi fotografada em abril —, e atrai muitos beija-flores.

      Esponja-de-ouro (Stifftia chrysantha).


      Formas de cultivo e reprodução


      Deve ser cultivada em pleno sol, em solo bem drenável e com regas regulares. A adubação se faz necessária, evitando adubar no inverno.

      A reprodução pode ser feita por sementes, que são dispersadas na natureza.


      Estágios da floração

      Estágios da flor da esponja-de-ouro (Stifftia chrysantha).

      Estágios da flor da esponja-de-ouro (Stifftia chrysantha).

      Estágios da flor da esponja-de-ouro (Stifftia chrysantha).

      Estágios da flor da esponja-de-ouro (Stifftia chrysantha).

      Estágios da flor da esponja-de-ouro (Stifftia chrysantha).


      Esponja-de-ouro (Stifftia chrysantha).


      Bom cultivo e até breve!


      Quer ver Dicas de Cultivo de outras espécies?




      quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

      Trepadeira papo-de-peru (Aristolochia gigantea) e sua esplendorosa floração

      14.2.19 0 Comentários
      Em minhas andanças em meio a natureza, encontrei essa gigante esplendorosa conhecida como papo-de-peru (Aristolochia gigantea), sendo nativa do Brasil e pertencente a família aristoloquiáceas.

      Suas belas flores de formato bem peculiar que, lembram o papo de um peru (ave), possuem cerca de 50 cm de comprimento e 30 cm de largura, e suas folhas são bem grandes e lembra um coração. Seu caule é bem grosso, resistente e a planta atrai muitos insetos polinizadores, devido ao seu "mau cheiro" (alguns dizem que é ruim, porém, achei bom).
      Foto de frente e de trás da flor da trepadeira papo-de-peru (Aristolochia gigantea).


      Formas de cultivo


      De ciclo perene, a papo-de-peru floresce de setembro até maio. Por ser uma trepadeira, a planta precisa de um suporte para "se agarrar", podendo ser cultivada no chão e até mesmo em vasos.
      Precisa ser cultivada em sol pleno ou meia sombra, em solo com boa drenagem, e enriquecido com matéria orgânica. A rega precisa ser regular.

      Sua multiplicação pode ser feita por sementes e estaquia de galhos.


      Evolução da floração

      Estágio da floração da trepadeira papo-de-peru (Aristolochia gigantea).

      Estágio da floração da trepadeira papo-de-peru (Aristolochia gigantea).

      Estágio da floração da trepadeira papo-de-peru (Aristolochia gigantea).

      Estágio da floração da trepadeira papo-de-peru (Aristolochia gigantea).

      Um dos lados da trepadeira papo-de-peru (Aristolochia gigantea).

      Um dos lados da trepadeira papo-de-peru (Aristolochia gigantea).


      Quer ver Dicas de Cultivo de outras espécies?