Tradutor

quarta-feira, 10 de abril de 2019

Coleção Oxalis sp. - Oxalis hirsutissima - Azedinha-de-flor-amarela

10.4.19 0 Comentários
Em mais uma das minhas explorações na natureza, encontrei essa pequena gigante, de aproximadamente 15 cm de altura, no Cerrado mineiro (Passos).  Oxalis hirsutissima, também conhecida como azedinha-de-flor-amarela, é da mesma espécie das famosas azedinhas de nossa infância, e em alguns locais, é conhecida como trevinho.

Flor da Oxalis hirsutissima a azedinha-amarela

Flora do Brasil

Nativa da região central do Brasil, mas podendo ser encontrada em todas as regiões, a Oxalis hirsutissima pertence a família Oxalidaceae. As plantas desta família, possuem ácido oxálico e oxalato, o que faz ter o significado de "azedo".


Clima e forma de cultivo

Ela foi encontrada a meia-sombra, quase embaixo de um arbusto. O cultivo se dá da mesma forma das outras espécies de Oxalis. Caso cultive em vaso, deixe-a a meia-sombra, regando sempre. Coloque a cada 6 meses adubo orgânico - eu utilizo esterco bovino -, ou uma vez a cada dois meses, adubo para floração, conforme a instrução da embalagem.


Reprodução

É feita por sementes, porém a taxa de germinação é baixa.

Detalhes das folhas peludinhas da Oxalis hirsutissima a azedinha-amarela

quarta-feira, 3 de abril de 2019

A rara romã-amarela (Punica granatum alba) e como cultivar

3.4.19 0 Comentários
Estamos acostumados a ver a romã-vermelha (Punica granatum), com suas lindas flores laranja. Porém, existe uma outra espécie de romã pouco cultivada aqui no Brasil, a romã-amarela (Punica granatum alba), que tem lindas flores branca.

Flor branca da romã-amarela (Punica granatum alba), cultivada em vaso.

Uma espécie pouco comercializada

Tive o prazer de conhecer há alguns anos, quando ganhei uma mudinha vinda de Santa Catarina. Mas, infelizmente, acabei perdendo ela. Em novembro de 2017 , fui buscar a tão esperada encomenda da romã-amarela na Garden Center Paisagismo - Santa Cecília, em São Paulo. Cultivei por alguns meses em vaso e  depois dei de presente para minha mãe plantar na horta dela.




Conhecendo a romã-amarela 

O gênero Punica significa "maçã com muitas sementes" e o epíteto da espécie granatum quer dizer "agradável".  Nativa da Grécia, Chipre e Síria, pertence a família Lythraceae, sendo um arbusto que pode crescer até 4,5 metros de altura. Suas flores são de amarelo claro a creme, ficando branca quando desabrocham. O fruto é de casca verde e fica amarela, quando maduro. A poupa da fruta é transparente, dando para ver as sementes.



Como cultivar

Por ser uma planta rústica, pode ser cultivada em vários tipos de solos, desde que, bem drenados. Sempre em sol pleno. Não necessita de muita rega, tolerando bem a seca, quando maiores. Pode ser cultivada em vaso ou direto no chão.


Adubar

As romanzeiras, quando não adubadas regularmente, não seguram bem as flores, podendo cair logo após se abrir. Escolha um adubo para frutíferas e siga as instruções. A cada seis meses é necessário um adubo orgânico, como esterco bovino, por exemplo. Mantendo a adubação de forma regular, terá frutos o ano todo.


 Propagar

Pode ser propagada por sementes e estaquia. Corte um galho de aproximadamente 30 cm, podendo ser a parte de madeira macia ou dura.

  • Armazenagem de sementes

Armazenar sempre em saco plástico com abertura, para evitar fungos. Há dois locais que podem ser armazenados e isso pode influenciar na germinação: Na geladeira - na gaveta de verduras -, e em gavetas ou outro lugar com temperatura ambiente. Na geladeira, a taxa de germinação é de 15% a mais que a armazada em temperatura ambiente. Germinar de preferência até três meses após a colheita, pois irá perdendo gradativamente a taxa de germinação.


Estágios da frutificação  

Infelizmente, deixei o vaso cair e não tive o prazer de vê-la amadurecer.
3 estágios da frutificação

sábado, 23 de março de 2019

Como cultivar rosa-do-deserto (Adenium sp.) e fazer florescer

23.3.19 2 Comentários
Você também é uma apaixonada (o) por rosas-do-deserto (Adenium sp.)?

Essa linda e exótica planta, de fácil cultivo, pertence a família das Apocynaceae. Nativa da África e da Península Arábica, foi vista pela primeira vez em 1819. Planta herbácea, suculenta e de flores perenes, a Adenium tem várias espécies, de variadas cores, mescladas, degradês e dobradas. 

Primeira flor da rosa-do-deserto da minha mãe, reproduzida por estaquia da planta matriz.


Os exemplares da minha mãe - fotos nessa postagem

Eu plantei algumas sementes em 2009, das que germinaram, dei duas mudas para duas tias e fiquei com uma. Alguns anos depois, me mudei para um local pequeno e que não batia sol e doei minha planta para minha mãe. Ela fez uma estaquia da planta principal e hoje tem duas, a matriz com 10 anos e a que foi reproduzida por estaquia, que está com 3 anos.


Como cultivar

Pode ser cultivada no chão e em vaso. No chão ela irá crescer livremente, podendo alcançar 3 metros de altura. Em vaso ela irá se limitar ao tamanho, e pode ser bem interessante cultivar usando a técnica de bonsai. O solo deve ser bem drenável e arenoso. Duas partes de terra e uma de areia de rio lavada, média ou grossa, será muito apreciada pela planta. Coloque também pedrinhas no fundo do vaso, para ajudar na drenagem e evitar o acúmulo de água nas raízes.


Rega e Clima

Por ser uma suculenta, a rosa-do-deserto armazena água e nutrientes em seu caule e por isso não é necessário que seja regada sempre. Espere o solo secar primeiro, para depois regar até a água sair pelos furos do vaso. Apesar dela tolerar bem a seca, não é recomendado ficar muito tempo sem regar.

Pode ser cultivada em meia sombra, mas para um florescência abundante é recomendado o cultivo em pleno sol. 


Adubação

Como toda planta, principalmente as cultivadas em vaso, é necessário receber nutrientes para manter a saúde e florescerem. Há adubo próprio para rosas-do-deserto, mas caso não encontre, pode ser usado adubo de floração. Siga sempre as instruções do fabricante. Na dúvida, use uma quantidade menor que a informada na embalagem. Uma vez a cada 3 meses, é necessário adubo orgânico, podendo ser casca de ovos seca e triturada e/ou esterco bovino.

Planta reproduzida de uma estaquia que, foi adubada adequadamente e floresceu pela primeira vez após 3 anos.


Como fazer a rosa-do-deserto florescer

A principal forma é com a adubação, mas caso perceba que mesmo assim ela não está florescendo, há uma outra forma: a poda drástica. Faça a poda drástica no inverno, época que a planta entra em dormência. Quando começar a primavera, como defesa e para se reproduzir, ela irá soltar botões de flores.


  • Como fazer a poda drástica


Corte com uma tesoura ou estilete limpo e esterilizado, uns 4 dedos a cima da base do galho (Conforme a imagem abaixo).

Corte com uma tesoura ou estilete limpo e esterilizado, uns 4 dedos a cima da base do galho. Aqui a poda foi feita em 29/06/2018.

Aqui é a planta 5 meses após a poda drástica.

Flores da rosa-do-deserto 7 meses após a poda drástica.


Reprodução

As Adeniuns podem ser reproduzidas por sementes - precisando de duas amostras de plantas para que ocorra a polinização  -,  e também por estaquia. Na estaquia, é só cortar um galho da planta, deixar secar por um dia e replantar em outro vaso. Na imagem abaixo, a planta menor é de uma estaquia de um galho da planta maior.

Duas rosas-do-deserto, sendo uma a planta matriz e a outra de uma estaquia da matriz.



quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

O encanto da Esponja-de-ouro (Stifftia chrysantha)

20.2.19 0 Comentários
Em um saudoso passeio que fiz ao Parque Ibirapuera, encontrei esses pompons encantadores que, de longe, me chamaram
atenção. Conhecida como esponja-de-ouro ou rabo-de-cútia, a Stifftia chrysantha, da família Asteraceae, é uma árvore que pode alcançar até 8 metros de altura. Sua linda floração ocorre entre julho e setembro - porém essa floração foi fotografada em abril -, e atrai muitos beija-flores.

Esponja-de-ouro (Stifftia chrysantha)


Forma de cultivo e reprodução

Deve ser cultivada em pleno sol, em solo bem drenável e com regas regulares. A adubação se faz necessária, evitando adubar no inverno.

A reprodução pode ser feita por sementes, que são dispersadas na natureza.


Estágios da floração

Esponja-de-ouro (Stifftia chrysantha)

Esponja-de-ouro (Stifftia chrysantha)

Esponja-de-ouro (Stifftia chrysantha)

Esponja-de-ouro (Stifftia chrysantha)

Esponja-de-ouro (Stifftia chrysantha)


Esponja-de-ouro (Stifftia chrysantha)

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

Trepadeira papo-de-peru (Aristolochia gigantea)

14.2.19 0 Comentários
Em minhas andanças em meio a natureza, encontrei essa gigante esplendorosa conhecida como papo-de-peru (Aristolochia gigantea), sendo nativa do Brasil e pertencente a família aristoloquiáceas.

Suas belas flores de formato bem peculiar que, lembram o papo de um peru (ave), possuem aproximadamente 50 cm de comprimento e 30 cm de largura,e suas folhas são bem grandes e em formato de coração. Seu caule é bem grosso e resistente e a planta atrai muitos insetos polinizadores, devido ao seu "mau cheiro" (alguns dizem que o cheiro é ruim, porém eu achei cheiro bom).

Foto de frente e de trás da flor da trepadeira papo-de-peru (Aristolochia gigantea)


Formas de cultivo

De ciclo perene, a papo-de-peru floresce de setembro até maio. Por ser uma trepadeira, a planta precisa de um suporte para "se agarrar", podendo ser cultivada no chão e até mesmo em vasos.
Precisa ser cultivada em sol pleno ou meia sombra, em solo com boa drenagem, e enriquecido com matéria orgânica. A rega precisa ser regular.

Sua multiplicação pode ser feita por sementes e estaquia de galhos.


Evolução da floração

Trepadeira papo-de-peru (Aristolochia gigantea)

Trepadeira papo-de-peru (Aristolochia gigantea)

Trepadeira papo-de-peru (Aristolochia gigantea)

Trepadeira papo-de-peru (Aristolochia gigantea)

Um dos lados da trepadeira papo-de-peru (Aristolochia gigantea)

Um dos lados da trepadeira papo-de-peru (Aristolochia gigantea)

terça-feira, 23 de outubro de 2018

Como germinar sementes de Jacarandá-mimoso (Jacaranda mimosifolia) - Atualizado em 18/03/2019

23.10.18 0 Comentários
As sementes de jacarandá-mimoso (Jacaranda mimosifolia), são bem fáceis de serem germinadas, as mudinhas são delicadas e a árvore é um espetáculo da natureza!


Conhecendo o jacarandá-mimoso...

Da família Bignoniaceae, o jacarandá-mimoso pode crescer até 15 metros, sendo nativo da Argentina, Bolívia e sul do Brasil. Suas folhas medem 40 cm de comprimento , são opostas e bipinadas, compostas por 25 a 30 pares de pequenos folíolos ovais delicados e se concentram na extremidade dos ramos.

No inverno, perde suas folhas e na primavera até o inicio do verão, dá lugar às lindas e perfumadas flores roxas azuladas que parecem sininhos. Ao cair, suas flores formam lindos tapetes pelo chão. Os frutos são cápsulas lenhosas, muito duras, ovais, achatadas, com numerosas sementes. O jacarandá está em perigo de extinção em seu habitat.

Essa espécie, dá um belo bonsai.

Forma de cultivo no final da postagem.

Flores de jacarandá-mimoso e mudas obtidas através da germinação de sementes.

Flores e folhas de jacarandá-mimoso.

Árvore de jacarandá-mimoso em uma praça.


Como germinar as sementes de jacarandá-mimoso

Normalmente, as cápsulas já abrem ainda na árvore, fazendo com que as sementes sejam dispersadas, por isso, poderá ter uma certa dificuldade de achar alguma. Procure aquelas que ainda não abriram, mas já estão secas. Eu encontrei uma no chão, e apesar de já estar aberta, tinha 3 sementes.

Cápsula com sementes aladas de Jacarandá-mimoso (Jacaranda mimosifolia).


Eu usei corpos descartáveis com furos no fundo, mas poderá usar outro recipiente e até mesmo o vaso definitivo. Prepare o solo com uma parte de terra vegetal (podendo ser aquela já pronta com substrato), e meia parte de areia grossa lavada. Quando foi plantada, o clima estava aproximadamente entre 31 e 34 graus.

Umedeça o solo antes de colocar as sementes.


Coloque as sementes por cima do solo umedecido.

Coloque uma camada de um 1 cm de solo, sobre as sementes e umedeça.

Coloque etiqueta com a identificação da planta e a data do plantio, para facilitar depois, caso venha a plantar mas espécies. E a data ajudará a saber sempre a idade da sua planta. 

Coloque um plástico para proteger e manter o a umidade do solo. Retire a cada dois dias, por alguns segundos, para não criar fungos.


Foram plantadas 3 sementes de jacarandá-mimoso e levaram de 7 a 11 dias para germinarem; com 100% de germinação.


Foto tirada em 02/10/2018, da mudinha que germinou primeiro em 23/09/2018.

Foto tirada em 08/10/2018, da segunda e terceira mudinhas, que germinaram em 27/09 e 04/10/2018, respectivamente.

Atualizado em 18/03/2019

Fotos da primeira muda com quase 5 meses e 18 cm de altura.

Foto tirada em  18/03/2019, da primeira muda, com quase 5 meses após a germinação.


Detalhe da coloração.

Foto tirada em  18/03/2019, da primeira muda, com quase 5 meses após a germinação.
O avermelhado nas folhas e galhos, é por ela ficar direto no sol.



Transplante e como cultivar


  • Quando a muda estiver com 6 galinhos de folhas, coloque aos poucos no sol. 

  • Transplante, solo e rega: Faça o transplante, quando a planta alcançar o tamanho de 30 cm. Use solo fértil, arenoso e bem drenado, mantendo-a sempre úmida até a planta pegar. Após, regue quando o solo secar, evitando longos períodos de seca. Não tolera solo com sal.

  • Luz e Clima: Apesar de se adaptar a meia-sombra, o indicado é pleno sol; evitando o frio excessivo.

  • Adubação: Adube sempre, menos no inverno e dando preferência aos adubos orgânicos.


Boa sorte e bom cultivo!



Fontes sobre o jacarandá:  Wikipedia, Algarve Saiba Mais, Apremavi e "Minhas observações".

quinta-feira, 18 de outubro de 2018

Faça estufa caseira com materiais recicláveis

18.10.18 0 Comentários
A estufa é muito utilizada no cultivo de plantas, pois ela ajuda a acelerar a germinação das sementes. Há vários tipos e preços de estufas; mas podemos criar estufas com materiais que costumam ser considerados descartáveis, como os copos e as boleiras. Abaixo, deixo um tutorial de como fazer essa linda e criativa estufa e sua manutenção.

Faça essa estufa caseira com boleira e copos descartáveis.

Materiais:

  • Boleira descartável;
  • Copos descartáveis;
  • Um garfo;
  • Vela (pode ser substituída por fogão);
  • Fósforo ou isqueiro;
  • Etiquetas em branco;
  • Caneta ou marcador;
  • Terra vegetal;
  • Areia média ou grossa de rio lavada.


Como fazer:

Coloque a quantidade certa de copos que cabem na boleira descartável.

Para fazer os furos no copo, esquente as pontas do garfo usando uma vela, ou até mesmo no fogão.

Após furar, os copos ficarão assim.

Fure todos os copos.

Prepare o solo para germinar as sementes. O solo que uso é uma mistura de terra vegetal já pronta com areia média ou grossa de rio lavada.

Coloque nos copos.

Umedeça o solo. Caso acabe encharcando, coloque os copos em cima de uma toalha para tirar o excesso de água.

Coloque as sementes e etiquete os copos, colocando o nome da planta e a data do plantio, irá ajudar a separar caso plante mais de uma espécie. Já a data te ajudará a saber quanto tempo demorou para germinar e futuramente a data da planta.

Tampe a estufa e abra a cada dois dias, deixando correr ar por alguns segundos. Isso ajudará a evitar que as sementes criem fungos e inviabilize a germinação.

Reutilizar

Após usar, você pode lavar, secar bem e reutilizar a boleira por várias vezes. Após germinar sementes, não utilize para guardar alimentos e nem reutilize os copos, salvo para novas germinações.


Boa sorte nas plantações!